A programação 2011 da Orquestra Sinfônica do Paraná

Texto antigo, publicado originalmente em 7 de julho de 2011

A meu ver, os destaques da programação deste ano são: (1) a existência de uma programação definida com antecedência, coisa normal em qualquer orquestra decente, mas uma coisa que os governos do Paraná em tempos anteriores nunca deram condição de nossa orquestra fazer; (2) a presença constante de música brasileira; (3) a presença constante de música moderna; (4) o ótimo novo regente titular e os grandes regentes convidados, além do bom trabalho (bem aproveitado) do regente assistente; (4) os bons solistas e a boa escolha das peças tradicionais do repertório. No repertório, chamo a atenção para: Sinfonia Fantástica de Berlioz (já tocada); Concerto para orquestra de Bártok (dia 14/9); a Quinta de Mahler (15/10); a Abertura Concertante de Guarnieri com regência do Neschling (19 e 23/10); Vox Amazoniae de Harry Crowl  – a única estréia da temporada (9/12); A ceremony of carols op. 28 de Britten, para coro infantil, solistas e harpa, em versão com orquestração de Márcio Steuernagel (16 e 18/12).

Os pontos fracos:  (1) só uma estréia na temporada inteira é muito pouco (entretanto, concedemos o benefício da dúvida, visto que é um ano de transição da inexistência de política cultural no estado para a criação de uma à queima-roupa); (2) as obras de compositores brasileiros ainda são pouco representativas da produção nacional, entram como pequenas obras pitorescas, e não como parte fundamental da programação; (3) o mesmo pode ser dito sobre as obras do século XX; (4) é um absurdo ter uma orquestra tão boa como a Sinfônica do Paraná e não ter programação de ópera e balé com a orquestra – aliás, isso já se fez no passado com ótimos resultados, e não seria difícil fazer agora, exceto pelo fato de que ópera e balé precisam de muito mais verba do que concertos sinfônicos.

Isso dito, segue a programação completa:

Quarta, 13 de abril:

Guarnieri – Abertura festiva, Tchaikovsky – Concerto para violino op. 35 (solista Nicolas Koeckert), Beethoven – Sinfonia n° 3. Regência de Osvaldo Ferreira. Minha crítica do concerto.

Quarta, 27 de abril:

Dottori – Aqui caíram as asas dos anjos, Schumann – Concerto para piano op. 54 (solista Cristina Ortiz), Tchaikovisky - Sinfonia n° 5. Regência de Osvaldo Ferreira. Minha crítica do concerto.

Domingo, 8 de maio:

Mozart – árias de concerto para soprano (solista Marília Vargas), Mahler – Sinfonia n° 4. Regência de Abel Rocha.

Sábado, 14 de maio (Série Clássica – igreja Nossa Senhora da Paz, Boqueirão):

Mendelssohn – As hébridas op. 26: A gruta de Fingal, Mozart – Sinfonia n° 39. Regência de Márcio Steuernagel.

Quarta, 25 de maio:

Bocchino – Suíte miniatura, Strauss – quatro últimas canções (solista Rosana Lamosa), Brahms – Sinfonia n° 4. Regência de Osvaldo Ferreira.

Quarta, 8 de junho:

Bruckner – Sinfonia n° 4. Regência de Osvaldo Ferreira.

Quarta, 22 de junho:

Vilani-Côrtes – Cinco miniaturas brasileiras, Santoro – Brasiliana, Berlioz – Sinfonia Fantástica. Regência de Luiz Fernando Malheiro. Minha crítica do concerto.

Domingo, 14 de agosto:

Rossini – Abertura de Guliherme Tell, Lalo – Sinfonia espanhola op. 21 (solista Pablo de Leon), Mignone – Sinfonia tropical, Strauss – Till Eulenspiegel op. 28. Regência de Osvaldo Ferreira.

Sábado, 20 de agosto (Série Clássica – igreja Bom Pastor, Vista Alegre):

Mozart – Sinfonia concertante KV 364 (solistas Maria Ester Brandão e Marcelo Lemos), Haydn – Sinfonia n° 104, “Londres”. Regência de Osvaldo Ferreira.

Sexta, 2 de setembro:

Concerto com as obras finalistas do Concurso de Composição Sinfônica – com voto do público. Minha crítica do concerto

Quarta, 14 de setembro:

Rachmaninof – Concerto para piano n° 2 (solista Olga Kiun), Liszt – Estudo Transcendental n° 12 e “Les cloches de Genéve” e “Orage” ambas do ciclo Anées de pelerinage (piano Olga Kiun), Bártok – Concerto para orquestra. Regência de Osvaldo Ferreira.

Sábado, 24 de setembro (Série Clássica – local a definir):

Beethoven – Abertura Coriolano op. 62, Mozart – Sinfonia n° 40. Regência de Márcio Steuernagel.

Quarta, 5 de outubro:

Mahler – Sinfonia n° 5. Regência de Osvaldo Ferreira.

Quarta, 19 e Domingo, 23 de outubro:

Guarnieri – Abertura Concertante, Liszt – Concerto para piano n° 1 (solista Piotr Banasik), Brahms – Sinfonia n° 2. Regência de John Neschling.

Sábado, 5 de novembro:

Programa surpresa. Regência de Osvaldo Ferreira.

Quinta, 17, Sexta, 18 e Sábado, 19 de novembro:

Concerto cênico. Programa a anunciar. Regência de Osvaldo Ferreira.

Domingo, 27 de novembro:

Programa surpresa. Regência de Osvaldo Ferreira.

Sexta, 9 de dezembro:

Harry Crowl – Vox Amazoniae (solista Ariadne Oliveira), Bruckner – Sinfonia n° 3. Regência de Hans-Peter Frank.

Sexta, 16 e Domingo, 18 de dezembro:

Britten – A ceremony of carols, para coro infantil, solistas e harpa. Orquestração de Márcio Steuernagel. Papo Coral – com Regência de Cristiane Alexandre. Solista (harpa) Hélio Leite. Regência do concerto Márcio Steuernagel.

Quarta, 21 de dezembro:

Primeira parte: programa surpresa. Segunda parte: Mahler – Des knaben Wunderhorn (solista Adriana Clus). Regência de Osvaldo Ferreira.

Veja também:

A programação 2010 da Camerata Antiqua de Curitiba

A programação 2011 da Camerata Antiqua de Curitiba

A programação 2012 da Camerata Antiqua de Curitiba

A temporada 2012 da Orquestra Sinfônica do Paraná

Este texto foi arquivado em Crítica cultural e etiquetado como , , , , . Pegue o permalink.