Tag: romance

  • Jane Austen: Razão e sentimento

      Este foi o primeiro livro publicado de Jane Austen. Enquanto Razão e sentimento saía impresso – e vendia bem, A abadia de Northanger estava no escritório de um editor que comprara os direitos por 10 Libras mas passados vários anos não tinha publicado. O inesperado sucesso financeiro de seu primeiro livro publicado (rendeu 140 […]

  • Jane Austen: A abadia de Northanger

    Jane Austen: A abadia de Northanger

    Primeiro eu comprei uma “caixa especial” de Jane Austen, numa super promoção da Amazon. Depois eu vi o Thomas Piketty dizendo no começo do seu livro que os economistas do século XIX não tinham bons dados para fazer análises consistentes, e que alguns romancistas forneciam melhor panorama da questão da riqueza patrimonial, citando principalmente Jane […]

  • Edney Silvestre – A felicidade é fácil

    No texto que escreveu para a orelha do livro do colega, o escritor Luiz Ruffato diz que, apesar dos elementos típicos da narrativa policial, trata-se de um “romance político, gênero difícil e quase inexplorado no Brasil”. Eu não sei se é tão inexplorado assim. Pega até mal dizer isso num país que teve Jorge Amado, […]

  • Leon Uris: Exodus

    Eu acho que o Uris queria escrever um livro de história. Mas ele não é historiador, não faz a mínima ideia de como se processa a pesquisa histórica. Então foi mesmo mais honesto escrever um livro de ficção. Ou seria de propaganda? Porque eu acho difícil o leitor discernir o que é informação confiável no […]

  • John Steinbeck: A pérola

    Foi meu primeiro Steinbeck, que me animou a explorar mais esta obra magistral. Ideal para começar com a obra do escritor, por que é um livro curto, desses de ler numa sentada. A narrativa assume uma linguagem deveras cinematográfica, e, aliás, não duvido que ele seja o que da literatura mais influenciou o desenvolvimento de […]

  • Milton Hatoum: Dois irmãos

    Faz tempo que ando afastado da boa literatura. Fico sempre nas bibliografias técnicas de Música e de Ciências Humanas, e as páginas que alimentam o espírito vão sendo interminavelmente adiadas. Mas me obrigo a, ao menos nas férias, entrar na livraria e comprar a esmo alguma coisa que possa sorver nos dias modorrentos. Nos meus […]