Lançado o edital de seleção 2018 do PPGHIS-UFPR

Banner da página do Programa de Pós-Graduação em História da UFPR

O Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná divulgou informações sobre a seleção para os cursos de mestrado e doutorado. As informações vem em documento próprio – o edital de seleção 2018 do PPGHIS-UFPR.

As informações do edital e links para inscrição estão disponíveis nesta página. Informações complementares sobre linhas de pesquisa estão nesta página.

Prazos do edital

Este ano o edital veio com mudanças em relação aos anos anteriores, principalmente nos prazos. Veja a seguir a tabela apresentada no item 3 do edital – “Do calendário do processo de seleção”, páginas 2 e 3:

Calendário da seleção para 2018 do PPGHIS-UFPR, conforme edital

As inscrições são até 15 de setembro, um pouco mais de prazo em relação aos editais anteriores. E as provas, avaliação dos projetos e entrevistas ocorrerão entre 6 de outubro e 24 de novembro.

Projeto de pesquisa

Importante notar que a inscrição exige projeto de pesquisa. A explicação sobre o formato do projeto e critérios de avaliação do mesmo estão no item 6 do edital, páginas 5 e 6. Os principais elementos que deverão estar no projeto são: Definição do objeto e problemática; Justificativa; Objetivos; Quadro teórico-metodológico; Tipologia das fontes. Os principais critérios de avaliação são: adequação às linhas de pesquisa; delimitação do objeto; domínio da historiografia pertinente ao tema; descrição e análise das fontes, sua pertinência com o objeto e disponibilidade; viabilidade de execução dentro do prazo.

Os projetos de mestrado podem ter até 15 páginas e os de doutorado até 20. O curso de mestrado tem duração de 2 anos, o de doutorado 4 anos. A avaliação dos projetos será feita entre 30 de outubro e 13 de novembro pelos colegiados das linhas de pesquisa. Somente serão avaliados os projetos dos candidatos aprovados na primeira etapa – prova escrita.

Prova escrita

Dia 06 de outubro será realizada a prova escrita, com questões sobre a bibliografia indicada no item 5, página 4 do edital. A seguir uma imagem desta parte do edital:

Bibliografia para prova escrita da seleção 2018 do PPGHIS-UFPR

Linhas de pesquisa

O Programa de Pós-Graduação em História da UFPR tem 4 linhas de pesquisa, cuja apresentação pode ser consultada neste link e cujo corpo docente pode ser consultado neste link. No nome de cada docente há link para uma página de apresentação, com breve currículo e interesses de pesquisa. Normalmente há também um email para contato, e por estes endereços pode-se conversar sobre possíveis projetos.

Não posso dizer muita coisa sobre as demais linhas de pesquisa por não conhecer bem o trabalho de todos os professores. Em geral, o Programa é bem avaliado pela CAPES, recebendo conceito 5 há muitos anos (a CAPES avalia com conceitos de 3 a 7). Eu fui aluno de mestrado no programa entre 2002 e 2004, quando os docentes e as linhas de pesquisa não eram os mesmos de agora.

Posso dizer, com entusiasmo, da linha de pesquisa Arte, Memória e Narrativa (AMENA), da qual participo junto com ótimos colegas. Sou professor colaborador no programa, o que significa que não sou professor da UFPR nem tenho disciplinas na pós. Sou orientador e participo das atividades da linha de pesquisa. Garanto que ali na AMENA temos um ótimo ambiente de trabalho, professores empenhados e assuntos muito interessantes para pesquisa. Coisas como cinema, literatura, artes visuais, quadrinhos, música, que são nossos objetos para pensar questões mais amplas de história.

Para você ter uma ideia do nível desse time: somos eu (André Egg), Artur Freitas, Claudio Machado, Clovis Gruner, Rosane Kaminski e Vinicius Honesko. Disponibilizamos ao todo 17 vagas, sendo 10 de mestrado e 7 de doutorado – conforme o item 2, página 2 do edital.

Posso orientar

Sou novo no programa – entrei em 2015 e assumi as primeiras orientações em 2016. Nos editais passados eu era apenas orientador possível para mestrado. Agora poderei assumir também orientações de doutorado.

Meus temas seriam principalmente os que relacionam música e história, embora eu também esteja trabalhando com orientação de projetos que não são de música, mas abordam questões de crítica de arte, mercado de bens culturais, arte e política, e outras cercanias.

Talvez você seja graduado em música e esteja se perguntando: posso fazer um mestrado em história? A resposta é sim, muito sim. Eu mesmo fiz isso. É fácil? Não – significa transitar por uma bibliografia de outra área do conhecimento. É impossível? Não – mas requer esforço de leitura. Não apenas da bibliografia indicada para a prova, mas de textos gerais sobre teoria e metodologia da pesquisa em história. Textos clássicos como Introdução à história, de Marc Bloch, ou História/Memória de Jacques Le Goff são quase obrigatórios. Algumas colheradas de Hobsbawm, Foucault, Benjamim, Ginsburg, Chartier, Bourdieu não farão mal a ninguém. Pilares da pesquisa em história e música no Brasil, como Marcos Napolitano, são altamente recomendados. E claro, tem muita bibliografia específica de bons historiadores sobre a maioria dos temas de história e música no Brasil, por exemplo.

Talvez você seja graduado em história ou outro curso da área das Ciências Humanas e esteja pensando: posso pesquisar sobre música se não leio partitura e nem toco nenhum instrumento? Sim, muito sim. Para pesquisar sobre música é necessário primordialmente ouvir música, discutir música, ler sobre música. Grandes pesquisadores tem escrito livros seminais de história e música no Brasil sem nunca terem tocado um instrumento ou lido uma partitura. Certamente você não será a primeira ou o primeiro a trilhar este caminho.

Em ambos os casos, pretende-se que o orientador sirva para ajudar a navegar nestes mares revoltos.

Aguardo contatos para conversar sobre os projetos!