História da Música IV – aula 04 (2016)

Orquestra da Victor Talking Machine gravando no sistema mecânico

Orquestra da Victor Talking Machine gravando no sistema mecânico nos estúdios da companhia em New Jersey

Tentando garantir a sequência de posts sobre os temas de aula, hoje tiro o atraso com o post História da Música IV – aula 04. O tema desta aula é a invenção do fonograma e as várias implicações decorrentes para a música do século XX.

Antes disso, já postei aqui sobre a aula 02, que tratou de duas obras fundamentais: Pierrot Lunaire de Schoenberg e Sagração da Primavera de Stravinski. A aula 03 não teve post: assistimos um episódio do documentário de Ken Burns sobre o jazz, e discutimos alguns aspectos da sua abordagem histórica.

Sobre a invenção do fonograma e as múltiplas implicações para a música do século XX, conversamos um bocado na aula da semana passada e também na aula desta semana. Parte das coisas que mostrei em aula estão neste post que escrevi num blog antigo:

A invenção do fonograma

Ali tem imagens e links de onde tirei informações. Além disso, vimos outras coisas que não estão no link acima:

ouvimos alguns exemplos das fabulosas gravações de Caruso feitas nos primeiros anos da fonografia (1902 em diante), que estão disponibilizadas neste fantástico site. Destaque para as seguintes gravações:

a canção Non t’amo piu de Luigi Denza em gravação de 1902

a ária Una furtiva lagrima de L’elisir d’amore de Donizetti – gravação com piano de 1902 e gravação com orquestra de 1904 digitalmente tratada.

ouvimos também algumas das lendárias gravações da banda de John Philip Souza realizadas entre 1901 e 1906 e disponíveis no acervo digital da Library of Congress.

Também olhamos este interessante texto (com farta ilustração e links) publicado no site do britânico Centro de Pesquisa para a História e Análise da Música Gravada:

A Brief History of Recording to ca. 1950

A parte sobre as primeiras gravações no Brasil ficou para a aula 05, sobre a qual irei postar em breve.