Categorias
Mundo acadêmico

Duas defesas em março

Como orientador, terei minhas primeiras duas defesas em março.

Quem acompanha esta página ou conhece minha trajetória sabe que sou professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR).

Estou lá desde 2015, participando da linha de pesquisa Arte, Memória e Narrativa. Assumi as primeiras orientandas de mestrado no ingresso de 2016 ao programa.

E agora elas estão prontas para defender as dissertações já finalizadas. Então aqui vai um jabá de orientador orgulhoso.

Luana Hauptman

A primeira banca será dia 09 de março, 14 horas, no prédio do Departamento de História (Rua General Carneiro, 460 – Ed. D. Pedro I), sala Prof. Carlos Antunes, 6º andar.

Luana Hauptman Cardoso de Oliveira irá defender sua dissertação Embates pela arte paranaense: Adalice Araújo entre a crítica jornalística e a direção do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (1986 a 1988).

A banca será composta pelos professores Artur Freitas (UNESPAR) e Paulo Reis (DEARTES-UFPR).

Thayla Walzburger Melo

A outra banca será dia 16 de março, 14 horas, no prédio do Departamento de História (Rua General Carneiro, 460 – Ed. D. Pedro I), sala Prof. Carlos Antunes, 6º andar.

Thayla Walzburger Melo irá defender sua dissertação Os sons da dissonância: a arte do protesto nas músicas de Raul Seixas e Secos & Molhados em tempos de autoritarismo (1973-1974).

Os membros da banca serão o prof. Marcos Napolitano (FFLCH-USP) e a profª. Miliandre Garcia de Souza (UEL).

Abertas ao público

As bancas são, como sempre, abertas ao público. Entrada franca, todos são convidados e bem-vindos.

Bancas de defesa de dissertação ou tese são grandes momentos da vida universitária. É quando se pode ver grandes especialistas e pesquisadores experientes discutindo a fundo. Além, claro, de ver a prova de fogo que consagra novos pesquisadores e os inicia na fase profissional da vida acadêmica.

É também um bom momento para se inteirar das pesquisas mais recentes, das descobertas mais novas. Manter-se atualizado com as novas tendências de temas, fontes históricas, correntes teóricas.

Assim, para quem assiste, bancas costumam ser mais interessantes e aprofundadas do que aulas.