Março de 2017

Como já venho fazendo desde o início do ano, resolvi concentrar aqui algumas informações e links sobre o que aconteceu em março de 2017.

Escrevi

Ao contrário de janeiro e fevereiro, em março escrevi quase nada no blog.

Foi difícil organizar o tempo, agora que as atividades de todos da família entraram a pleno vapor. E foi o mês de finalizar as avaliações do ano letivo de 2016, além dos TCC, mas isso é assunto para outro item.

O único texto que publiquei foi a crítica do concerto do Luciano Lima. Foi pouco texto, mas pelo menos foi um texto bem importante.

O concerto de Luciano Lima

Atividades acadêmicas como professor

Como disse acima, em março encerramos o ano letivo de 2016. Ou seja, foi o mês de fazermos avaliações do 4º bimestre, exames finais, fechamento de notas e preenchimento de livros-classe. Além da distribuição de disciplinas para 2017 e o respectivo planejamento.

Mas o destaque mesmo foi para as defesas dos TCC do curso de Bacharelado em Música Popular. Eu fui coordenador de TCC em 2016, então acompanhei bem de perto o processo. Alguns alunos não conseguiram terminar os trabalhos e deixaram para 2017. Mas tivemos 4 heróicos que fizeram bons trabalhos. As bancas aconteceram dia 06 de março, e as informações estão neste edital.

O trabalho do Ricardo Salmazo, orientado por Alan Rafael de Medeiros, foi uma pesquisa sobre a trajetória do sambista Chocolate e seu grupo carnavalesco “Ideais do ritmo”.

Lucas Bonaldo produziu composições para guitarra elétrica sobre exercícios rítmicos de Eduardo Gramani, sob orientação de Aglaê Frigeri.

Vinícius Luisi Moraes realizou a criação de uma performance, orientado pelo prof. Diego Baffi. A obra foi chamada Correntio e eu tive o prazer de assistir à primeira apresentação ano passado.

Meu orientando Thiago Stahlschmidt Barroso pesquisou semelhanças e influências de uma canção de Robert Johnson em canções dos Beatles.

Para mim foi uma mudança e tanto, pois na distribuição de disciplinas voltei a assumir todas as Histórias da Música (I, II, III e IV) do Bacharelado em Música Popular. Além de ficar com História da Música e História da Música Brasileira na Licenciatura em Música.

Depois de sair do cargo de Diretor de Centro em julho de 2016, agora será o momento de voltar às minhas disciplinas e à carga horária cheia em sala de aula e na pesquisa. Vou precisar “desintoxicar” dos cargos administrativos.

notícias da unespar

Foi em março também que vimos à posse do Reitor e do Vice-Reitor da UNESPAR, para o mandato até 2021. O Reitor empossado foi o professor Carlos Aleixo, e o vice Sydnei Kempa. Eu já tinha escrito aqui nesta página uma defesa da candidatura deles na época da eleição:

Porque votar em Carlos Aleixo e Sydnei Kempa para a reitoria da UNESPAR

Na solenidade de posse, realizada em uma sala do Palácio Iguaçu, bonitos discursos. Ambos os professores ressaltaram as dificuldades em gerir uma universidade que está começando, e em situação muito precária por falta de investimentos. Mas, acharam espaço para destilar sua empolgação com a educação, fazer tributos a momentos marcantes de suas vidas na academia e demonstrar a garra de contribuir para a construção de uma universidade e de um futuro melhores.

Sydnei Kempa ainda achou espaço para ler o texto da canção Morro velho, de Milton Nascimento. Veja se não é de se ter esperança, uma universidade dessa, em que Vice Reitor cita Milton Nascimento em discurso de posse. Só pode ser coisa boa.

Livros, filmes, etc.

Meu destaque no mês é para a série das Crônicas de Arthur de Bernard Cornwell, que comecei a ler porque achei no Kindle Unlimited. Narrativa cativante, e um ótimo equilíbrio entre ficção e história. O autor imagina a saga de Arthur quase sem as interpolações posteriores que foram enriquecendo a história e tornando-a mais inverossímil. O Arthur de Bernard Cornwell é uma história da Britânia após o fim do Império Romano, num combate entre os antigos habitantes destas terras e os invasores saxões, bem como uma disputa entre a antiga religião dos druidas e o crescimento do cristianismo. O autor consegue retratar um panorama histórico fidedigno misturando com ótima narrativa de ficção.

Entre os filmes, consegui assistir Silêncio de Scorcese. Como tudo deste diretor, uma obra muito marcante. Vou levar tempo digerindo. E estou preparando um texto sobre o filme, a ver se consigo terminar e publicar aqui no blog. Basicamente, uma história intrigante sobre a perseguição ao cristianismo no Japão do século XVII, a partir do trabalho de jesuítas portugueses.

Também me caiu na mão, comprado em um bazar, o ótimo Beatriz, raro livro de contos de Cristóvão Tezza. Pra mim, o romancista confirmou que tem ótima mão para histórias de fôlego curto. É uma delícia seu “Prólogo”, explicando muito da relação entre o escritor, sua obra e a literatura, tema que também perpassa as histórias do livro.

Outra descoberta interessante é o blog do Edward Schmitz. Ele é meu amigo, e eu sabia da página dele há algum tempo, mas não tinha prestado atenção. Agora fui olhar, e vi que ele tem bons vídeos para ajudar na organização pessoal e administração do tempo e da carreira. Coisas que eu andei comentando aqui no post sobre o mês de janeiro.

A página dele é esta:

edwardschmitz.com

E o conteúdo é basicamente o mesmo que ele publica em seu canal no youtube.