Vídeo da minha palestra

Nos últimos anos os concertos da Camerata Antiqua de Curitiba tem sido precedidos de palestras explicativas. Em 2016 começou um formato em que as palestras pré-concerto passaram a ser gravadas e apresentadas em vídeo. Eu fui um dos palestrantes. Procurei o vídeo no canal da Fundação Cultural de Curitiba, mas todos tinham sido retirados do ar. Provavelmente por causa do período eleitoral, eu não achava o vídeo da minha palestra. Ontem uma amiga me mostrou que o vídeo está, sim, online. No canal do ICAC, onde estão todos os demais vídeos.

O programa do concerto

O concerto foi com obras de José Penalva, Henrique Morozowicz, Ronaldo Miranda e Eduardo Frigatti. Era parte da programação do Festival Penalva, que vem sendo realizado anualmente com concertos, cursos e palestras, em homenagem ao compositor que adotou a cidade e tanto marcou a vida cultural de Curitiba.

Informações completas sobre o concerto e o programa estão aqui, no site do ICAC. Sobre José Penalva e Henrique Morozowicz eu escrevi posts aqui no blog, com o material que usei para preparar minha palestra.

José Penalva (1924-2002)

Henrique Morozowicz (1934-2008)

Sobre Ronaldo Miranda não há muito pra dizer, exceto que é um compositor de músicas bonitinhas para ganhar prêmios e ser programado para deixar gente feliz. Na palestra eu falo alguma coisa mais politicamente correta sobre ele.

A execução das obras foi de uma grande felicidade. O concerto mostrou o tamanho do trabalho que a regente Mara Campos vem fazendo com a Camerata. Especialmente o coro sempre teve dificuldade em preparar obras não concebidas tonalmente. Mara Campos revelou sua capacidade de ensaiadora e conseguiu empolgar os cantores. Foi um feito especialmente notável na difícil obra de Penalva.

Eduardo Frigatti

Sobre Eduardo Frigatti, infelizmente não estava na programação. Sua obra Campina de vidro foi incluída de última hora no programa e eu só soube disso depois que tinha terminado de gravar minha fala. Ainda deu tempo de incluir mais uma pequena menção ao nome dele. De todo modo, é um compositor jovem, eu não teria muita informação sobre ele. Sua obra foi premiada no concurso de composição da Bienal Música Hoje em 2015, o que lhe valeu como prêmio a execução durante a temporada da Camerata. Parece que só depois de fechada a programação veio a lembrança do prêmio. E foi uma decisão acertada incluir esta obra num festival dedicado à música de vanguarda e homenageando o decano da composição musical em Curitiba.

Eu conheci o compositor pessoalmente no dia do concerto, e ele me mostrou gentilmente a partitura da obra. Peça muito boa, vagamente baseada em técnicas do espectralismo, de ótimo resultado orquestral. Sinto que, ao contrário de muitas obras premiadas em concurso de composição, essa os músicos da orquestra tocaram com gosto e de verdade.

O vídeo da minha palestra

O vídeo está abaixo. Recomendo que você aperte no botãozinho que aparece no canto para ver direto no youtube, onde você também pode curtir e compartilhar.