Categorias
Textos meus

Os posts de 2015 do blog História Cultural

Mais abaixo, vou deixar os links dos melhores posts de 2015 do blog História Cultural. Nestes posts eu fiz comentários ou resenhas de livros, filmes, concertos ou eventos acadêmicos.

Tempos atrás eu contei aqui nesta página sobre o descontinuamento do blog História Cultural. Eu editei o blog entre 2011 e 2015 no portal da Gazeta do Povo, mas por falta de postagens o jornal decidiu não mantê-lo em atualização.

Ao contrário do que eu tinha imaginado então, não apagaram os arquivos. O blog e os posts continuam lá, só não posso mais atualizar. Como acho que escrevi algumas coisas úteis naquele espaço voltei no post linkado acima e atualizei esta informação. Ainda espero que ao menos meus alunos leiam alguns daqueles textos, por isso também coloquei alguns links.

Por enquanto, não precisarei repostar aqui os textos, como tinha imaginado. Segue então uma lista dos posts do último ano de atividade do blog:

 

Livros

Uma das coisas que gosto de fazer é resenhar livros. Como temos poucos espaços para publicação de resenhas no Brasil (ao contrário de outros países onde essa atividade é muito valorizada tanto no mercado editorial quanto no mundo acadêmico), acho que os blogs podem ser um oásis pra nós quanto a isso. Uma lista dos livros que comentei lá no História Cultural durante o ano de 2015:

O triunfo da música, de Tim Blanning, que continuo considerando a melhor História da Música disponível em português.

O capital no século XXI, obra incontornável de Thomas Piketty – um ambicioso estudo histórico sobre a desigualdade feito por um economista. Certamente uma das obras mais influentes no debate político contemporâneo.

Zelota – a vida e a época de Jesus de Nazaré, de Reza Aslam, que deve ser o melhor estudo histórico sobre Jesus disponível em português.

Número Zero e O cemitério de Praga – dois ótimos livros de ficção (mas nem tanto) de Umberto Eco, que faleceu recentemente.

Filme

Vou pouco ao cinema (por falta de tempo, principalmente). Mas entre as melhores coisas que vi na telona está o filme Estrada 47, que trata da participação brasileira na II Guerra Mundial através de personagens e uma história fictícia.

Assim como nos romances de Eco, onde história e ficção se misturam de maneira magistral, neste filme temos uma maneira muito inteligente de trabalhar com história, num ótimo resultado ficcional.

Sigo recomendando: vejam o filme, e leiam minha resenha.

Evento

Este ano foi marcado, já de início, pela morte de Gilberto Mendes – um de nossos compositores e artistas de maior importância. Comentei sobre ele aqui neste post.

A morte de Gilberto Mendes aumentou muito a importância do Festival de Música Contemporânea Brasileira de 2015, onde ele foi um dos compositores homenageados, junto com Edino Krieger. Eu estive lá no evento para uma fala, mas assisti a toda a programação, escrevi alguns textos sobre ele aqui no blog, e um resumo geral com os links lá no blog História Cultural.

Concerto

Teve épocas em que eu fiz muita crítica de concerto, coisa que eu considero de grande importância, mas que dá muito trabalho. É uma atividade para a qual eu venho tendo cada vez menos tempo. Um dos últimos concertos que escrevi crítica foi o do Collegium Cantorum, regido por Helma Haller. As meninas cantaram a Missa de São Sebastião, de Villa-Lobos. Foi o concerto de lançamento do CD no qual gravaram a obra. Foi na Capela Santa Maria, como parte da programação da Oficina de Música.

O link para minha crítica.