6 anos com este blog

Em 5 de fevereiro de 2012 eu comecei este blog. Antes disso eu já tinha blogado no portal Blogger, do Google (ainda existem lá uns arquivos perdidos). E, principalmente, tinha publicado o blog Um drible nas certezas no portal O pensador selvagem. (Este não existem mais os arquivos, mas tenho um backup.)

Porque abri blog em endereço próprio

Problemas técnicos no servidor dO Pensador Selvagem me motivaram a procurar um endereço próprio. Por indicação de webmasters experientes, decidi procurar os serviços da Via Hospedagem. Registrei meu próprio domínio e… aqui estou, blogando até hoje.

Inicialmente eu tinha planejado republicar aqui todo o material que eu já tinha produzido em outros blogs. Além dos já citados acima, andei abrindo outras coisas no WordPress.com (blogs temáticos de minhas disciplinas e outras maluquices). Depois essa ideia entrou pro rol das muitas resoluções não cumpridas. Porque é sempre mais atrativo escrever coisa nova que organizar as coisas já escritas, não é mesmo?

Até hoje este endereço ainda é meio bagunçado, situação agravada pelo fato de que no início eu não tinha muita informação sobre segurança, e acabei instalando algum plugin vulnerável que abriu as portas para invasão de hackers. Ou será que foi um vírus que uma vez peguei no meu computador, via pendrive? Tive que fazer backup dos posts e reinstalar tudo. Desde então ainda tenho problemas com imagens de posts antigos, links quebrados e SEO.

Porque escrever em blog

Mas nada disso impede de comemorar. A ideia de blogar veio pra mim de duas vertentes: necessidade pessoal de expressão (tenho ganas de escrever, às vezes) e desejo de compartilhar informação. Acho que li em algum lugar alguma vez que compartilhar informação é um jeito de mudar o mundo (um pouquinho que seja).

Como sou professor e pesquisador, acaba sendo útil usar a página para postar material para meus alunos. De quebra, serve para quem mais se interessar pelo tema. Em tempos mais antigos eu também gostava de dar muito palpite sobre outros assuntos. Minhas aulas são sobre temas ligados a história e música. Mas eu sempre gostei de palpitar sobre religião, política, futebol, filmes, literatura, etc. Afinal, ninguém é de ferro.

Sobra cada vez menos tempo para ser palpiteiro em temas aleatórios, à medida que o trabalho de professor, pesquisador, orientador, parecerista, consome cada vez mais a atenção e as energias. Assim o blog foi ficando mais restrito aos assuntos das aulas. Mas sempre fico com ganas de escrever mais, que se soma às ganas que tenho de organizar o material que já produzi neste blog e em outros espaços. Quem sabe um dia?

O material do blog

Comecei o blog com este post, em 5 de fevereiro de 2012:

Meu próprio blog

Segundo o Google Analytics os posts mais lidos em 2012 foram estes:

Meu discurso de paraninfo para os formandos de Licenciatura em Música 2011 da FAP

Palpites e previsões infalíveis para o Brasileirão 2012

A programação 2012 da Camerata Antiqua de Curitiba

Sobre as cotas para negros nas universidades: a respeito da decisão do STF

A temporada 2012 da Orquestra Sinfônica do Paraná

Esses são os posts que atraíram mais leitores, que chegam normalmente pelos mecanismos de busca ou redes sociais. Mas quero dar também uma indicação dos posts que acho mais relevantes entre os que escrevi naquele ano. (Vai notar que, em geral, são críticas de concerto.)

Fabio Zanon: Villa-Lobos (coleção Folha Explica)

Gilson Peranzzetta, Célia e Daniel Migliavacca Quarteto nas comemorações dos 40 anos do Paiol

Stefan Geiger, a Sinfônica do Paraná e o filme de Lotte Reiniger com música de Wolfgang Zeller

O concerto de Ralf Ehlers no Simpósio de Música Nova em Curitiba

A Sagração da Primavera de Olga Roriz com o Balé Guaíra e a Sinfônica do Paraná

Pra essa comemoração acho que posso ficar nos posts de 2012. Espero escrever mais posts sobre coisas publicadas no blog em tempos anteriores. Aproveitei para atualizar imagens que estavam com problemas nos posts que linkei aqui.