Julho de 2017

Muita coisa aconteceu em julho de 2017, menos neste blog. Não publiquei nada aqui neste mês. Mas há outras coisas interessantes. Veja, primeiro, os resumos que fiz dos meses anteriores:

Junho de 2017

Maio de 2017

Abril de 2017

Mestrado e doutorado em História da UFPR

Como contei no post linkado abaixo, estão abertas as inscrições para o mestrado e doutorado em história da UFPR. Sou um possível orientador, principalmente se você quiser pesquisar assuntos que liguem música e história.

Lançado o edital de seleção 2018 do PPGHIS-UFPR

Neste texto tem os links para edital e página de inscrições.

Novo livro

Nos meses anteriores deste ano você já viu notícias por aqui do livro Música, cultura e sociedade, do qual sou organizador.

 

Capa do livro Música, cultura e sociedade: dilemas do moderno

Só pra lembrar, o livro está à venda na Amazon.

Também já contei que saiu um capítulo meu no livro Com som, sem som organizado por Heloísa Valente e Simone Pereira:

Capa do livro Com som, sem som, lançado pela Editora Letra e Voz

A novidade é que vai sair mais um texto meu em livro, provavelmente em outubro ou novembro.

Escrevi o texto em julho, é sobre música na reforma calvinista, e vai fazer parte de um volume sobre música nas reformas protestantes. O livro aproveita a onda de estudos e lançamentos por ocasião dos 500 anos da reforma. Foi organizado por Joêzer Mendonça, e deve sair também pela editora CRV.

Assim que estiver pronto conto aqui.

A volta de O Pensador Selvagem

A outra grande novidade de julho é que o portal O Pensador Selvagem está de volta. Depois de alguns anos inativo, Rafael Reinehr e Patricia Louzada retomaram o projeto editorial e relançaram o sítio, com visual renovado.

Me propus a manter lá uma coluna na seção “Arte e cultura“. Minha coluna vai se chamar “Cena contemporânea“, e deve trazer textos de crítica cultural em geral.

Por enquanto está lá o post com explicações inicias, breve começa o assunto pra valer:

Voltando a O Pensador Selvagem

Quero reforçar aqui que foi no antigo portal do Pensador Selvagem que tive o blog Um drible nas certezas. Foi devido aos problemas de servidor que levaram ao fechamento do antigo portal que acabei abrindo este endereço pessoal, conforme contei aqui no post de estreia, em 2012:

Meu próprio blog

Mas foi certamente no Pensador Selvagem que desenvolvi minha escrita na internet, e onde também aprendi muito com colunistas e blogueiros que fizeram um dos melhores portais da virada das décadas de 2000 e 2010.

Com isso espero manter um espaço um pouco mais plural, que substitua o espaço que mantive no finado blog História Cultural, que escrevi no portal do finado jornal Gazeta do Povo entre 2011 e 2015. (O jornal Gazeta do Povo não é mais publicado em forma impressa, o portal ainda existe, bem como os arquivos do meu blog.) Contei sobre o fim deste blog neste post:

O blog História Cultural será descontinuado

Então estão todos convidados a acompanhar – minha coluna e o trabalho dos colegas, que deve ser bem interessante.

Livros, filmes, discos, etc

Sem muito tempo pra escrever resenhas ou comentários do que ando lendo e/ou assistindo, então aqui vão os comentários à queima roupa:

Capa do primeiro livro da Série Napolitana

Aproveitei um tempinho do recesso da UNESPAR e o fato de eu ter o livro disponível no Kindle Ilimitado. E só posso dizer uma coisa: pare o que está fazendo e vá logo ler. Li A amiga genial, o primeiro da série, e agora estou com História do novo sobrenome, sua continuação. A escritora italiana Elena Ferrante (pseudônimo) usou a voz narrativa de Elena Greco, uma garota de um subúrbio de Nápoles dos anos 1950, para contar contar a história de sua amizade com Rafaella Cerullo.

A história é da amizade das duas, mas é muito mais que isso. É uma história do mundo contemporâneo visto pela garota que é a personagem principal. É a história de crescer, enfrentar o passado nebuloso (guerra, fascismo, machismo, violência, pobreza) e o futuro incerto. É a história de duas mulheres, vivendo numa época em que o lugar feminino no mundo mudou tanto, embora ainda seja tão pouco. Vai nesta linha que tanto gosto, que é a de fazer livro de ficção ao mesmo tempo em que faz livro de história.

Também estou lendo esta interessantíssima história da Segunda Guerra, construída principalmente a partir de depoimentos de pessoas comuns que enfrentaram seus horrores. Livro muito bem escrito, ótima pesquisa:

Tem mais coisa, mas o tempo tá curto. Bora trabalhar um pouco, e em breve prometo escrever melhor sobre estas coisas aqui.

Posts mais lidos

Se alguém quiser saber, o Google Analytics me contou que estes foram os posts mais lidos nesta página em julho:

Meu discurso como professor homenageado dos formandos 2012 de música da FAP

Os cânticos dos cristãos nos primeiros séculos

Meu discurso de paraninfo para os formandos de Licenciatura em Música 2011 da FAP

Quando foi inventado o canto gregoriano?

Orquestra Sinfônica do Paraná é uma das 5 melhores do Brasil?