O segundo turno do Paranaense 2013

Acabou o segundo turno do Campeonato Paranaense 2013, e o grande vitorioso foi o Atlético.

Independente do que aconteça nas finais contra o Coritiba, nas quais está em jogo o tetra-campeonato alvi-verde, o Atlético sairá com saldo positivo. Porque todo mundo (principalmente eu) criticava como irresponsável a decisão da diretoria rubro-negra em colocar o time juvenil em campo no estadual. Ficou claro que o time de garotos do Atlético é um time forte, talvez mais que o time principal. No primeiro turno o time não tinha ritmo de jogo contra profissionais, senão para ficar numa quinta posição medíocre. Ressaltei isso quando comentei o primeiro turno aqui no meu blog.

Hoje o Atlético tem um time principal descansado (embora sem ritmo de jogo) para disputar os torneios que realmente importam. E tem uma nova geração que se mostrou pronta para assumir maiores responsabilidades nos próximos anos. No curto prazo o Atlético está com muitos problemas, mas no médio prazo pode estar se desenhando um novo bom momento para o Furacão. Será que tão bom quanto o time que esteve entre os melhores do Brasil no período 2001-2005?

A classificação do segundo turno ficou assim:

Como o Coritiba tinha ganhado o primeiro turno, haverá a decisão final entre os dois clubes.

No segundo turno, cada time tropeçou nos seus próprios erros. O Londrina chegou novamente à última rodada podendo ser campeão do turno, e novamente foi derrotado e viu suas chances irem embora. Mesmo com resultado favorável em Ponta Grossa, pois o Atlético foi goleado por 4×1 pelo Operário, mas o Coritiba aplicou 3×1 no Londrina. Apesar de parecer que tenha sido este jogo que tirou o Londrina da final, na verdade o Londrina perdeu ao não vencer o Atlético no Café. O empate lá mostrou-se decisivo agora no final. Com uma vitória lá, o Londrina teria chegado à última rodada quase como campeão do turno.

Do mesmo modo o Coritiba, que praticamente perdeu a chance de ser campeão antecipado quando foi derrotado pelo Paraná no Couto Pereira, coisa que não acontecia desde 1996, quando Alex ainda era uma promessa recém promovida da base.

Mas o mais triste mesmo foi o Operário, que fez um campeonato tão bonito e perdeu a vaga na série D ao ser derrotado em Ponta Grossa pelo Nacional de Rolândia. O detalhe é que este time só obteve uma única no campeonato inteiro, justo contra o Fantasma. E deve ter sido a pior campanha de um time na história do Paranaense.

Além disso tudo, o Coritiba perdeu um Atletiba por um placar de dois gols de diferença (3×1 na Vila Olímpica do Boqueirão, com gol de honra de Alex no último minuto do jogo), coisa que não acontecia desde janeiro de 2008, como se vê nesta lista feita pelos Helênicos.

O saldo para o Coritiba não foi nada bom. Após cada derrota ou mau resultado (além de perder os dois clássicos, um empate com o Nacional), sempre vinha o argumento de que o time “tirou o pé” após vencer o primeiro turno, e que já tinha vaga garantida na final. Na verdade, o objetivo era ser campeão antecipado, e seria o natural, afinal, o Coritiba tem um elenco muito superior aos demais clubes que disputavam o torneio (time principal do Atlético inclusive).

A terceira colocação soa como um péssimo resultado. O Coritiba revelou que tem uma defesa ainda muito fraca, o que já vem sendo um problema nas temporadas anteriores. Também tem um defeito grave, que é a falta de opções no ataque. Sem David, nenhum atacante foi efetivo pelo Coritiba. E a linha de frente, com mais Rafinha e Alex, mostrou-se possível de ser anulada por times tão fracos quanto o Paraná e o sub-23 do Atlético. Que será no Brasileirão? Boa coisa não promete. Na verdade, ficou demonstrado que o time de 2013 não é muito melhor que o de 2012, e que Alex sozinho não faz milagre.

Ou melhor, como aconteceu nos clássicos, Alex até faz milagre, mas não adianta muito quando se tem Pereira ou Escudero para entregar o ouro lá atrás.

Se para o Atlético tudo que vier é lucro, o Coritiba vai para as finais com a obrigação de vencer. Qualquer resultado que não o Tetra será muito decepcionante, e mergulhará o clube numa crise. Aliás, durante o segundo turno chegou a ter pressão bem forte sobre o técnico Marquinhos Santos, chamado de burro pela torcida. (Obviamente a diretoria sabe que dá para contratar treinador nada melhor e muito mais caro. Tão bom pelo mesmo preço, de jeito nenhum – ou seja, tenhamos paciência.)