50 anos do golpe: mais algumas leituras

No dia em que completaram-se os 50 anos do golpe militar de 1964, escrevi um texto no blog História Cultural.

50 anos do golpe e algumas boas leituras

Fiz lá uma avaliação histórica e algumas indicações de leitura. Foram cinco lançamentos editoriais feitos por ocasião da data rememorativa – todos livros de historiadores competentíssimos, que acho que são leituras obrigatórias. Só um destes livros eu tinha lido, e feito a resenha também lá no História Cultural:

Marcos Napolitano e a história do Regime Militar

Bom, agora o Celso Barros, cara que faz resenhas como ninguém nestes assuntos de política brasileira, resenhou para o Amálgama um dos livros que eu indiquei. Corra ler:

A tragédia do civil-militar

Tem vários outros textos importantes lá. Como sempre, o Amálgama consegue reunir um time de gente boa para produzir reflexão relevante sobre os temas mais significativos.  Acho que ainda vai sair mais coisa boa sobre o assunto (fiquem de olho em tudo nesta página) mas por enquanto os textos da série são os seguintes:

O legado econômico da ditadura

(Neste texto o Paulo Roberto Silva evidencia a falácia que é dizer que a Ditadura melhorou o Brasil ou favoreceu o desenvolvimento)

Cinquenta anos não são cinco

(Vinícius Justo levantando a necessidade de superar a memória de esquerda do golpe, que fica ressuscitando fantasmas desnecessários. Se entendi bem, ele recomenda que precisamos manter a memória histórica mas pensar em olhar pra frente, coisa que a remissão constante ao golpe vem atrapalhando)

Defender a democracia é mais difícil do que parece

(Uma crítica do Eli Vieira aos estudantes que confrontaram o professor da Faculdade de Direito da USP que leu uma carta sua defendendo a ditadura em uma aula)

O que aprendi sobre a ditadura

(Texto do Carlos Orsi em que resume o legado das entrevistas com professores da UNICAMP que realizou para o dossiê dos 50 anos do golpe para o jornal da universidade)

Além do Amálgama, outro coletivo que tem marcado presença com estes temas atuais da política é o joinvilense Chuva Ácida. Lá saiu também o excelente texto do prof. Clóvis Gruner:

50 anos, hoje

Do que saiu na imprensa, duvido muito que alguém tenha superado o dossiê da revista Carta Capital, que está aqui. Isso eu ainda não li tudo, mas recomendo especialmente o texto do Moniz Bandeira, que resgata um pouco da importância estratégica dos EUA no planejamento e no apoio ao golpe dos militares brasileiros:

Tio Sam dá as cartas

Tem também o Jurandir Machado da Silva, que faz a necessária reflexão sobre o papel da imprensa no golpe:

Jornalismo golpista

Deve ter muito mais coisa boa por aí, se eu descobrir, talvez eu avise.