Samsung Galaxy Mega GT-I9200: experiência de usuário

O tamanho do telefone/tablet na mão

O tamanho do telefone/tablet na mão

Este é o meu primeiro smartphone. E também o meu primeiro tablet. Eu não tenho recursos abundantes para gastar em gadgets, então tenho que pesquisar muito e comprar com parcimônia. Acho que fiquei uns dois anos analisando os modelos disponíveis e os lançamentos anunciados, além de ter ficado de olho nas promoções das lojas.

Minha intenção era ter um telefone com a maior tela possível, porque uso muito as ferramentas de internet e redes sociais, então eu precisava mais da função tablet do que da função telefone. Por outro lado, não queria carregar dois aparelhos – e esse cabe no bolso. Eu uso pouco o telefone, e é um pouco disfuncional para atender ou fazer ligações na rua ou no ônibus, por exemplo. Para estes casos seria ideal usar fone de ouvido, que é uma coisa que ainda não acostumei a carregar dentro da roupa. Então acabo não atendendo muita ligação – se você precisa usar o telefone constantemente, talvez não seja o modelo indicado.

Agora, se é para usar o que depende da capacidade de processamento, tamanho de tela, capacidade de memória, o aparelho é muito recomendável. A tela de 6.3 polegadas é a maior do mercado para smartphones, embora seja pequena para um tablet. O processador dual core de 1.7 GHz não é o melhor que existe, mas dá conta do recado. A outra opção de modelo mais próxima seria o Galaxy Note 2, preço semelhante (um pouco mais caro), tela um pouco menor, processador mais rápido. Acabei optando pelo tamanho da tela e não me arrependi. Eu diria que o único aparelho que teria especificações realmente melhores é o Galaxy Note 3, mas ele entra num segmento de luxo e preço muito mais alto.

A  grande desvantagem do Galaxy Mega é o fato de não ter conexão 4G, embora eu não saiba se isso já funciona bem no Brasil. A maioria das coisas que a gente faria na internet ficam um pouco lentas se você não estiver numa conexão wi-fi. Mas mesmo conectado pela rede 3G é bem prático para ler e responder e-mail, usar twitter, entre outras coisas que não exigem grandes transferências de dados.

Como você viu na foto que ilustra o post, ele é bem grande para segurar. Acho que não dá pra usar com uma mão só, o que pra mim não faz a menor diferença. Uso sempre com as duas mãos ou em cima de uma mesa.

A memória dele (1.5 GB) é suficiente para instalar todos os aplicativos que me deu vontade (e eu instalei bastante). Também tem o cartão SD, se não me engano 6GB, que permite tirar muita foto e fazer muito filme. Ainda por cima, o aparelho te dá uma conta no Dropbox com 50 GB, por 2 anos.

Falar sobre os aplicativos que eu estou rodando e recomendaria dá um outro post. Aqui apenas vou comentar que a Samsung manda uns aplicativos pré-instalados que eu preferia que não tivesse, e que quando a gente tenta desinstalar aparece uma mensagem de que isso pode prejudicar o funcionamento do aparelho. Eu não tentei para ver que tipo de prejuízo seria, até porque ainda não precisei liberar memória.

A tela grande é de alta resolução, o que torna o aparelho ideal para ver vídeos, ver fotos ler textos ou e-books. Um dos motivos que eu optei por este tamanho de tela é que eu também uso bastante o Kindle, então um smartphone tela grande me evitaria comprar um dispositivo de leitura da Amazon, podendo ficar apenas com o aplicativo Android. Já li bastante na tela e não me arrependi. Dizem que o dispositivo Kindle é melhor por causa da tela sem luz de fundo, que não dá reflexo nem cansa a vista, mas seria mais uma coisa pra carregar e mais um dinheiro pra gastar. Na verdade eu um dia pensei que teria um Kindle Fire, mas não há previsão dele chegar no Brasil – seu preço é bem mais baixo que outros tablets mas sua grande vantagem seria o conteúdo da Amazon americana, que tem um super catálogo de filmes e séries de TV, além de músicas, coisa que está longe de chegar ao mercado brasileiro.

A bateria dura bastante: cerca de 36 horas se não usar muito. Cerca de 12 horas se ficar usando direto os recursos que exigem muita exposição da tela. Bem menos que isso se tentar usar como GPS (acho que dura menos de 4 horas). Para carregar completamente leva mais de uma hora.

Pra resumir a história, eu estou muito satisfeito com o aparelho. Uso ele para praticamente tudo: o PC ficou apenas para escrever textos longos e olhar páginas da internet que não são amigáveis para mobile. Também acho que consegui um bom preço por ele, e fica a dica: na tabela é R$ 2.100 mas se você ficar de olho nas promoções em boas lojas online pode comprar seguramente por R$ 1.350, que foi o que eu paguei (parcelado, e valendo uma carrada de pontos no Dotz).

One thought on “Samsung Galaxy Mega GT-I9200: experiência de usuário